Escute agora nosso informativo sobre o festival

CONCURSO VIRTUAL DE GRAFFITI 

VOTAÇÕES ENCERRADAS!

O Concurso Virtual de Graffiti “Quando as Ruas Chamam” 6ª edição avança para a segunda etapa que selecionará o trabalho vencedor através do voto popular.

O Festival Nacional Quando as Ruas Chamam tem o prazer de apresentar os três trabalhos finalistas do Concurso Virtual de Graffiti. Essa é uma ação que compõe a programação da nossa sexta edição.

O Concurso recebeu 13 trabalhos de vários estados brasileiros como SP, SC, GO, PA, PI, e DF. Três ilustrações foram selecionadas para participar da votação popular. O trabalho com o maior número de votos receberá o prêmio de R$ 1.000,00 (Hum mil reais) e também será a identidade visual da nossa festa programada para 2022.

A votação on line vai até as 23h e 59m do dia 29 de dezembro de 2021.

 

Soneka – DF

Flávio Mendes iniciou no graffiti em 2002 e na tatuagem em 2007. Conhecido nas ruas como o grafiteiro Soneka, desenha desde criança, na adolescência conheceu o graffiti, Sua carreira é uma das mais reconhecidas na cena de graffiti do DF e também na cena nacional, acumulando 15 anos de história. Hoje atua também como ilustrador e tatuador, seu estilo é facilmente reconhecido pelos admiradores de suas obras, sua arte é inspirada no seu cotidiano, e seu olhar sobre a realidade de 9 que fizeram parte da sua infância e adolescência, gosta de criar histórias surreais e seres místicos, misturados com personagens reais e animais. O artista é muito influenciado pelo Hip-hop, skate e a cultura underground, os jovens encontrados nas periferias de Brasília também possui assento cativo em seus graffitis. Soneka faz trabalhos para grandes marcas como a Eskis e Cool Cat, suas obras estampam camisetas, bermudas, bonés e mochilas. Esteve presente nos principais eventos da cena nacional e internacional. Atua de forma voluntária oferecendo oficinas de Graffiti e desenho,
já realizou oficinas em diversas intuições e locais carentes como: 
– CAJE – Nas casas de Semiliberdade
– Unidade de Internação do Recanto das Emas
– Favela Santa Luzia – Cidade Estrutural- DF
– Favela Rua do Sossego – Candangolândia/DF 

Stan Bellini SP

Stan bellini tem 37 anos, nasceu em Catanduva-SP e hoje em dia mora em São José do Rio Preto-SP. Trabalha desde os 14 anos fazendo graffiti. Começou a desenhar ainda criança, copiando desenhos de seu irmão mais velho. Teve a oportunidade de pintar em vários eventos de graffiti na sua região, em outros estados e países.  sempre criando  personagens e inspirado pelas coisas que gosta e vive além de ter como uma outra fonte de inspiração o estilo de graffiti dos Gêmeos. Stan Bellini  Gosta muito de ver e estudar o trabalho de outros colegas grafiteiros, artistas plásticos, bem como livros de desenhos, gibis e filmes de desenhos animados. Com essas fontes o artista sente a liberdade de viajar no seu mundo com o graffiti e produzir suas artes. Vale ressaltar que Stan Bellini ofereceu aulas de graffiti em um projeto social da Prefeitura de São José do Rio Preto, São Paulo e, também, ministrou workshops e participou de sessões de pintura ao vivo (live painting). Desta forma, foram surgindo convites para pintar em vários eventos internacionais realizados em Joinville, SC; Porto Alegre, RS; Curitiba, PR; Macaé, RJ; São Paulo SP; Brasilia DF; Salvador, BA; Quito, Equador; Bogotá, Colômbia; Milão, Itália e Wiesbaden na Alemanha. 

Odrus DF

Rafael Odrus, é um grafiteiro surdo que utiliza a arte urbana para deixar a sua marca enquanto pessoa surda pelos locais por onde passa – Odrus é surdo de trás para frente. Já participou de exposições, como a Mundez no Museu Nacional de Brasília e a ECCO. Já foi convidado para participar de eventos de graffiti internacionais, nos Estados Unidos, França, África do Sul e Canadá. Odrus gosta de enfatizar o lado social de seu trabalho artístico, pregando a valorização das pessoas negras, da cultura surda e das comunidades periféricas. Atuante também em projetos sociais, já deu oficina de graffiti para crianças surdas no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM) e na Unidade de Internação do sistema socioeducativo de Planaltina, por acreditar no poder da arte de transformar vidas.